Para Meditar

"Escreva as preocupações de hoje na areia. Grave as vitórias de ontem na pedra".

08/01/2011

Até onde você tem permitido que Ele entre?

Quando aceitamos Jesus, abrimos a porta (Eis que estou à porta e bato) da casa para o Senhor entrar. O problema é que alguns de nós permitimos que Jesus entrasse e ficasse apenas na sala de visita. Ele entrou e permanece lá, esperando que a gente dê acesso aos outros compartimentos da casa.
Quando ele pede para que abramos a porta nos promete cear conosco, compartilhar, participar, ter intimidade. Quando não se conhece bem alguém, só se permite que ele entre até a sala, mas quando há intimidade e confiança, ele tem acesso à cozinha, aos quartos, ao banheiro.
Até onde você tem deixado Jesus entrar? Em que compartimentos você não lhe permite acesso? Aonde você está dizendo: aqui não, Jesus? Jesus tem livre trânsito pelas diversas áreas da sua vida? Pelos diversos departamentos da sua alma? Ou você está dizendo: na minha intimidade conjugal, não! No meu temperamento, não! Eu nasci assim e vou morrer assim. Nos meus negócios, não!
Permita que ele entre nos recônditos da tua alma, nas profundezas, coloque seus conflitos mais íntimos à disposição dele. Deixa ele entrar no banheiro, no quarto, na cozinha da tua vida. Não limite o espaço dele, dizendo assim – aqui, ele não pode entrar. Não quero que ele veja, que ele toque, que ele mude.   Jesus comandar, orientar, dirigir a sua vida. Você vai ver a diferença de viver sob o comando de Deus.
Quando só liberamos uma parte de nossa vida, as demais ficam vulneráveis à ação do inimigo. Este não pede para entrar como Jesus, mas entra sem pedir licença, invade e domina. Quando Jesus entra numa casa e domina o ambiente não há espaço para o inimigo porque ele expulsa o valente e passa a reinar na casa.
Faça uma reflexão e veja quais são os espaços que Cristo ainda não teve acesso. Só você pode dar o acesso que ele precisa para transformar por completo a sua vida.

Fonte: Espírito Santo em minha vida

Nenhum comentário:

Postar um comentário